Content for New Div Tag Goes Here

 

 

 

 

Cursos técnico-profissionais

 

Os cursos técnico-profissionais ministrados no ITN destinam-se a jovens com o 9º ano de escolaridade, têm uma duração de três anos lectivos, conferem direito à obtenção do diploma do 12º ano e a um certificado de qualificação profissional de nível 3 (CE).

Todos os cursos técnico-profissionais possuem uma componente de formação em contexto de trabalho (420 horas de estágio), o qual é realizado a bordo de navios ou em empresas do sector marítimo.

A formação em contexto de trabalho (FCT) está ligada à actividade marítima. Sendo os cursos vocacionados para o transporte marítimo, a formação em contexto de trabalho (estágios) efectua-se preferencialmente a bordo de navios de comércio ou em outras unidades industriais apropriadas.

A FCT será realizada em 2 períodos, no início do 1º semestre do 2º ano lectivo e no início do 1º semestre do 3º ano lectivo, ou seja no início dos 3º e 5º semestres lectivos, respectivamente, e estará articulada com as saídas intercalares.

Esta FCT tem como objectivo que o aluno aprenda a trabalhar em situação real, aplicando os conhecimentos adquiridos durante a componente de formação técnica, tanto a nível teórico como a nível prático, descobrindo a empresa como um local organizado, respeitando a pontualidade e a disciplina no trabalho, inserindo-se numa equipa, onde se poderá aperceber da importância das relações humanas e desenvolver o sentido de responsabilidade, contactar com as organizações empresariais e a administração do sector marítimo e portuário.

A FCT realizar-se-á segundo um plano de trabalhos que permitirá ao aluno o desenvolvimento de actividades que conduzam ao aperfeiçoamento dos seus conhecimentos e capacidades através da sua aplicação, preparando-se para uma consciente actividade profissional no sector dos transportes marítimos.

Todos os cursos Técnico-Profissionais estão isentos do pagamento de propinas e destinam-se, preferencialmente, a jovens com idade inferior a 25 anos.

A AEMAR é uma Entidade Formadora acreditada pelo IPTM (Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos), para ministrar acções de formação no âmbito da Convenção Internacional STCW/95 e da Náutica de Recreio e, como tal, os seus jovens formandos após terminarem os cursos, passam a possuir, adicionalmente, o certificado de Segurança Básica e carta de Marinheiro (Náutica de Recreio).

Topo

Curso de Contramestre (Marinha Mercante)

O curso de Contramestre (Marinha Mercante), criado pela Portaria nº 980/2005, de 4 de Outubro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes às categorias correspondentes às respectivas saídas profissionais, destacando-se as tarefas de responsabilidade do serviço de convés.

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Contramestre (Marinha Mercante), para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:
- Tecnologia e Processos;
- Segurança Marítima e Qualidade;
- Tecnologias Marítimas;
- Práticas Oficinais.
As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

Perfil de desempenho à saída do curso

O Contramestre (Marinha Mercante) é o profissional qualificado apto a coordenar e controlar o trabalho dos marinheiros no convés dos navios mercantes, segundo ordens recebidas dos oficiais, e verificar a sua posterior execução. A conclusão deste curso (nível 3), com aproveitamento e após os tirocínios exigidos por lei, permite o acesso ao escalão na categoria profissional de Contramestre (CNP 8.3.4.0.20).

 

Este curso possui, ao fim de ano e meio, a saída intercalar de Assistente de Mecânica e Navegação Marítima (nível 2). Esta saída intercalar permite a obtenção das categorias profissionais de Marinheiro de 2ª Classe (CNP 8.3.4.0.25), de Ajudante de Maquinista (CNP 8.1.6.2.15) ou de Marinheiro-Maquinista e, após os tirocínios exigidos por lei, permite o acesso à categoria profissional de Marinheiro de 1ª Classe (CNP 8.3.4.0.25).

 

Todas estas categorias profissionais, respectivas funções e condições de acesso estão contempladas nos artigos 6º, 7º, 16º, 17º, 18º, 19º, 39º e 40º do anexo III, do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro, na Portaria nº 1509/2004, de 31 de Dezembro, e na Classificação Nacional de Profissões (CNP).

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

- Orientar e vigiar, entre outros, os trabalhos de limpeza e pintura, destinados à beneficiação e reparação do convés do navio, tendo em atenção a segurança dos marinheiros;

- Participar nas operações de carga e descarga de material, recorrendo à utilização do aparelho de carga, sempre que necessário;

- Zelar pelo material a reparar e fazer as requisições necessárias à boa gestão e funcionamento do paiol;

- Dirigir os trabalhos de manobra do navio, mantendo a disciplina e zelando pelo cumprimento das normas de segurança;

- Largar ou suspender o ferro nas manobras de fundear;

- Verificar se os locais de trabalho, tais como paiõis e porões, se encontram em boas condições de arejamento e iluminação;

- Inspeccionar o material de salvamento e combate a incêndio, assim como aparelhagem diversa do convés, a fim de detectar deficiências e providenciar as reparações ou substituições adequadas;

- Verificar, regularmente, o tanque de víveres e proceder ao controlo de lastro líquido e ao abastecimento e controlo do consumo de água doce para os serviços gerais;

- Providenciar por uma adequada alimentação do pessoal e a salubridade dos alojamentos.

Topo

Curso de Técnico de Construção Naval/Embarcações de Recreio

O curso de Técnico de Construção Naval/Embarcações de Recreio, criado pela Portaria nº 912/2005, de 26 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências nas tarefas de construção e reparação de embarcações de recreio, ficando tambêm com competências para manobrar as embarcações dentro das limitações legais em vigor.

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes as categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Técnico de Construção Naval/Embarcações de Recreio, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

 

- Tecnologia e Processos;
- Tecnologia Marítima e Segurança;
- Desenho Técnico;
- Construção Naval.

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

Perfil de desempenho à saída do curso

 

O Técnico de Construção Naval/Embarcações de Recreio é o profissional qualificado apto a orientar e desenvolver os trabalhos de construção, reparação e conservação de embarcações em madeira e em polímeros reforçados com fibras PRF. A conclusão deste curso (nível 3), com aproveitamento, permite navegar em embarcações à vela e a motor, com Carta de Patrão Local, em conformidade com a legislação em vigor.

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

- Identificar os tipos de embarcações e seus elementos constituintes, bem como conhecer as infra-estruturas para o Turismo Náutico;

- Interpretar e desenhar o Plano Geométrico de uma embarcação e realizar a Traçagem destas, à escala real;

- Desempenhar tarefas de construção, reparação e conservação de embarcações em madeira, designadamente a escolha de materiais e técnicas mais adequadas;

- Executar tarefas inerentes à construção, reparação e conservação de embarcações em Polímeros Reforçados com Fibras - PRF, destacando-se a construção de moldes, aplicação de materiais e utilização das máquinas e ferramentas adequados a este tipo de construção;

- Assegurar o regular funcionamento dos motores e equipamentos eléctricos presentes a bordo das embarcações;

- Projectar um plano de pintura e escolher os materiais mais adequados de acordo com as características específicas da embarcação;

- Efectuar peritagens e o levantamento de danos resultantes de acidente e orçamentar intervenções;

- Manobrar embarcações e executar trabalhos de Arte de Marinheiro.

Topo

 

Curso de Técnico de Electricidade Naval

O curso de Técnico de Electricidade Naval, criado pela Portaria nº 873/2005, de 21 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes à categoria correspondente e às respectivas saídas profissionais, destacando-se as tarefas de responsabilidade do serviço de manutenção e condução da instalação eléctrica de bordo.

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à categoria profissional correspondente à saída profissional proposta, o curso de Técnico de Electricidade Naval, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

 

- Electricidade e Electrónica;
- Tecnologias Aplicadas;
- Tecnologias Marítimas;
- Segurança Marítima e Qualidade.

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

Perfil de desempenho à saída do curso

O Técnico de Electricidade Naval é o profissional qualificado apto a desempenhar tarefas de carácter técnico relacionadas com a instalação, manutenção e reparação de máquinas e equipamento eléctrico e electrónico nas áreas de electricidade, electrónica e automação, específicas da actividade naval, respeitando as normas de higiene e segurança e regulamentos específicos. A conclusão deste curso (nível 3), com aproveitamento, e após os tirocínios exigidos por lei, permite o acesso ao escalão da mestrança na categoria profissional de Electricista (CNP 7.2.4.1.45).

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

- Seleccionar criteriosamente componentes, materiais e equipamentos, com base nas suas características tecnológicas e de acordo com as normas e os regulamentos existentes;

- Interpretar e utilizar correctamente manuais, esquemas e outra literatura técnica fornecida pelos fabricantes;
- Efectuar operações de correcção, ajuste e manutenção segundo as instruções do fabricante;

- Analisar e interpretar anomalias de funcionamento e formular hipóteses de causas prováveis;

- Aplicar e respeitar as normas e os regulamentos relacionados com a actividade que desenvolve;

- Aplicar e respeitar as normas de protecção do ambiente e de prevenção, higiene e segurança no trabalho;

- Interpretar e reparar pequenas instalações de baixa tenção de alimentação, comando, sinalização e protecção;

- Orientar e colaborar com as equipas de manutenção;

- Efectuar periodicamente, verificações de conservação e manutenção de instalações, equipamento eléctrico e circuitos de potência;

- Colaborar em tarefas relativas à instalação de sistemas de automação e controlo, equipamentos de navegação, emissores e receptores de rádio;

- Colaborar na instalação do sistema de produção e distribuição de energia eléctrica e do sistema eléctrico de emergência;

- Executar pequenos trabalhos de serralharia e soldadura, necessários à montagem de aparelhagem eléctrica;

- Operar e calibrar sistemas e aparelhagem de medida;

- Ensaiar equipamentos electrónicos, electro-hidráulicos, electromecánicos e pneumáticos;

- Elaborar a lista de reparações a efectuar durante as docagens e escalas técnicas do navio, ficando responsável pela sua execução e controlo;

- Executar a manutenção e reparação de equipamento electrogéneo ou de climatização, e de dispositivos de comando, protecção e controlo.

Topo

Curso de Técnico de Mecânica Naval

O curso de Técnico de Mecánica Naval, criado pela Portaria nº 893/2005, de 26 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes às categorias correspondentes às respectivas saídas profissionais, destacando-se as tarefas de responsabilidade do serviço de máquinas.

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes as saídas profissionais propostas, o curso de Técnico de Mecânica Naval, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

 

- Tecnologia e Processos;
- Segurança Marítima e Qualidade;
- Tecnologias Marítimas;
- Práticas Oficinais.

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

Perfil de desempenho à saída do curso

O Técnico de Mecânica Naval é o profissional qualificado apto a regular, conduzir e reparar motores diesel, máquinas alternativas a vapor e outras máquinas, bem como aparelhagem auxiliar a bordo de embarcações, sendo responsável pelo seu bom funcionamento. A conclução deste curso (nível 3), com aproveitamento e após os tirocínios exigidos por lei, permite o acesso ao escalão da mestrança na categoria profissional de Maquinista Prático de 2ª Classe (CNP 8.1.6.2.10).

 

A conclusão, com aproveitamento, do segundo ano do curso de Técnico de Mecánica Naval confere direito à obtenção da categoria profissional de Mecânico de Bordo (CNP 7.2.3.3.25).

 

Este curso possui, ao fim de ano e meio, a saída intercalar de Assistente de Mecânica e Navegação Marítima (nível II). Esta saída intercalar permite a obtenção das categorias profissionais de Marinheiro de 2ª Classe (CNP 8.3.4.0.25), de Ajudante de Maquinista (CNP 8.1.6.2.15) ou Marinheiro-Maquinista e, após os tirocínios exigidos por lei, permite o acesso à categoria profissional de Marinheiro de 1ª Classe (CNP 8.3.4.0.25).
Todas estas categorias profissionais estão contempladas nos artigos 6º, 7º, 17º, 18º, 35º, 38º, 39º e 40º do anexo III Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro, na Portaria nº 1509/2004, de 31 de Dezembro, e na Classificação Nacional de Profissões (CNP).


Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

 

- Preparar as máquinas, inspeccioná-las e verificar o seu funcionamento;

- Regular as máquinas de modo a que atinjam as condições determinadas, tendo em atenção a sua potência e estado;

- Conduzir as máquinas durante o percurso, observando pressões e temperaturas e fazendo variar o regime de funcionamento, a fim de permitir as manobras;

- Detectar avarias na aparelhagem mecânica e eléctrica e repará-las a bordo sempre que possível, ou providenciar a sua reparação;

- Supervisionar ou proceder à beneficiação, limpeza, lubrificação e manutenção de máquinas, aparelhagem auxiliar e respectiva instalação;

- Zelar pelo aprovisionamento de combustível, lubrificantes e outros materiais necessários ao funcionamento e manutenção das máquinas.

Topo

 

Curso de Técnico de Administração Naval

 

O curso de Técnico de Administração Naval, criado pela Portaria nº 673/1995, de 27 de Junho, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao correcto desempenho das tarefas inerentes ao apoio à gestão de empresas de transportes e comércio marítimos ou de suporte à sua actividade.

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Técnico de Administração Naval, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

 

- Contabilidade Geral e Analítica;
- Cálculo e Gestão Financeira;
- Gestão e Transportes Marítimos;
- Tecnologia Naval

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

Perfil de desempenho à saída do curso

A profunda reconversão das empresas de transportes marítimos afectou não só as formas de organização do trabalho a bordo dos navios, mas também a organização administrativa das empresas e os próprios processos de gestão.

 

As reduções de efectivos, as práticas de polivalência e de mobilidade interna, bem como as novas exigências de autonomia, de sólida formação de base e específica, de conhecimentos de linguagens como a informática e o inglês, são hoje comuns na maior parte dos serviços administrativos das empresas relacionadas com o transporte e comércio marítimos.

 

A organização das empresas de transporte marítimos, fez emergir a necessidade de um profissional administrativo polivalente e conhecedor do seu contexto de trabalho, a fim de, a médio prazo, substituir, com vantagem, os profissionais de escritório da antiga organização de trabalho.

 

Ora, não havendo qualquer formação específica no domínio dos transportes marítimos para os profissionais administrativos e assistentes de gestão, o ITN-Instituto de Tecnologias Náuticas, porque detentor do "know-how", oferece esta formação, de nível 3, de molde a satisfazer as necessidades existentes.


Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

 

- Recolher e tratar dados estatásticos, relativos à evolução dos mercados, tráfego de passageiros ou mercadorias, câmbios e outros necessários às decisões de gestão;

- Efectuar o controlo dos gastos, cálculo de custos e de juros, bem como os relativos a salários, matérias primas, equipamentos e outros encargos de exploração;

- Orientar e executar operações de caixa, escrituração e introdução de dados referentes a operações contabilísticas;

- Promover e apoiar actividades de carácter informativo e de relações com o público, administração, pessoal e clientes;

- Administrar, dirigir, informar, formar e avaliar o trabalho do pessoal sob sua responsabilidade;

- Controlar a aplicação da regulamentação aplicável à actividade transportadora.

 

Topo

 

Curso de Técnico de Energias Renováveis

 

O Curso de Técnico de Energias Renováveis – Variante de Sistemas Solares, criado pela Portaria n.º 944/2005, de 28 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saídas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formação técnica:


No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondestes às saídas profissionais propostas, o Curso de Energias Renováveis, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual e composta pelas seguintes disciplinas:
- Tecnologia e Processos;
- Organização Industrial;
- Desenho Técnico;
- Práticas Oficinais.
As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saida do curso:


O Técnico de Energias Renováveis / Sistemas Solares é o profissional qualificado apto a programar, organizar, coordenar e executar a instalação, a manutenção e a reparação de sistemas solares térmicos e de sistemas solares fotovoltáicos, de acordo com as normas, os regulamentos de segurança e as regras de boa prática aplicáveis.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico:

 

- Programar e organizar os trabalhos a realizar:

- Analisar o projecto de instalação, identificando os equipamentos e acessórios a instalar e a sua localização;

- Definir, em pequenos sistemas solares térmicos domésticos e em pequenos sistemas fotovoltáicos domésticos, os equipamentos e acessórios a instalar, bem como a sua localização, dimensionamento a orientação dos colectores, avaliando as condições físicas do local de instalação, as necessidades térmicas e outras especificações técnicas;

- Preparar as condições necessárias à execução da instalação, da manutenção e da reparação de sistemas solares térmicos e de sistemas solares fotovoltáicos, definindo os métodos de trabalho, os meios humanos e materiais e as ferramentas a utilizar;

 

Coordenar e supervisionar a instalação dos sistemas solares térmicos, assegurando o cumprimento das normas, dos regulamentos de segurança e das regras de boa prática aplicáveis:

 

- Coordenar e supervisionar a instalação de equipamentos, nomeadamente colectores, bombas circuladoras e dispositivos de segurança, quer de pressão e temperatura, quer de natureza eléctrica, a fim de assegurar o correcto funcionamento dos mesmos;

- Executar ou supervisionar os ensaios do sistema solar térmico, utilizando equipamentos de medida e controlo, verificando a estanquidade das tubagens, a sua fixação e o isolamento térmico, bem como o desempenho global do sistema aquando do arranque, a fim de assegurar o seu adequado funcionamento;

- Coordenar e supervisionar a instalação dos sistemas solares fotovoltáicos, assegurando o cumprimentos das normas, dos regulamentos de segurança e das regras de boa prática aplicáveis;

- Coordenar e supervisionar a reparação dos sistemas solares térmicos e dos sistemas solares fotovoltáicos, assegurando o cumprimento das normas, dos regulamentos de segurança e das regras de boa prática aplicáveis;

- Executar, sempre que necessário, a instalação e a reparação de sistemas solares térmicos e de sistemas solares fotovoltáicos de acordo com as normas, os regulamentos de segurança e as regras de boa prática aplicáveis;

- Prestar assistência técnica a clientes, aconselhando sobre as diferentes opcões e esclarecendo dúvidas sobre o funcionamento dos sistemas solares térmicos e dos sistemas solares fotovoltáicos;

- Elaborar relatórios e preencher documentação técnica relativa a actividade desenvolvida.

Topo

Curso de Técnico de Mecatrónica

 

O Curso de Técnico de Mecatrónica, criado pela Portaria n.º 910/2005, de 26 de Marco, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saídas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formação técnica:

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondestes às saidas profissionais propostas, o Curso de Energias Renováveis, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:
- Electricidade e Electrónica;
- Tecnologia Mecatrónica;
- Aplicações de Mecatrónica;
- Desenho Técnico.
As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saída do curso:


O Técnico de Mecatrónica é o profissional qualificado apto a desempenhar tarefas de carácter técnico relacionadas com a manutenção, reparação e adaptação de equipamentos diversos, nas áreas de electricidade, electrónica, controlo automático, robótica e mecânica, respeitando as normas de higiene e segurança e os regulamentos específicos.

As actividades principais desempenhadas por este técnico são:


- Seleccionar criteriosamente componentes, materiais e equipamentos, com base nas suas caracteristicas tecnologicas e de acordo com as normas e os regulamentos existentes;
- Interpretar e utilizar correctamente manuais, esquemas e outra literatura tecnica fornecida pelos fabricantes;
- Efectuar operacoes de correccao, ajuste e manutencao, segundo as instrucoes do fabricante;
- Analisar e interpretar anomalias de funcionamento e formular hipoteses de causas provaveis;
- Aplicar e respeitar as normas e os regulamentos relacionados com a actividade que desenvolve;
- Aplicar e respeitar as normas de proteccao do ambiente e de prevencao, higiene e seguranca no trabalho;
- Interpretar e reparar pequenas instalacoes de baixa tensao de alimentacao, comando, sinalizacao e proteccao;
- Orientar e colaborar com equipas de manutencao;
- Reparar e ou substituir elementos mecanicos, electricos e electronicos em equipamentos e sistemas automatizados;
- Conceber e realizar pecas mecanicas, utilizando processos convencionais e tecnologias CAD/CAM/CIM;
- Programar e operar maquinas  CNC e sistemas flexiveis de producao;
- Programar, operar e desenvolver algoritmos de controlo para automatos programaveis, utilizados no controlo de motores, servomecanismos e sistemas automatizados;
- Programar sistemas robotizados;
- Implementar sistemas e comando e controlo relativos a instalacoes de equipamentos industriais, com base em circuitos electropneumaticos e electro-hidraulicos;
- Utilizar meios informaticos que permitam melhorar a qualidade do servico.

Topo

 

 

Curso de Técnico de Protecção Civil

 

 

O Curso de Tecnico de Proteccao Civil, criado pela Portaria n.? 1204/2008, de 17 de Outubro, esta concebido para proporcionar a aquisicao de capacidades e competencias necessarias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saidas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formacao tecnica:


No sentido de proporcionar a aquisicao de capacidades e das competencias inerentes as categorias profissionais correspondestes as saidas profissionais propostas, o Curso de Tecnico de Proteccao Civil, para alem das componentes de formacao Sociocultural e de formacao Cientifica, possui a componente de formacao Tecnica, a qual e composta pelas seguintes disciplinas:
- Organizacao, Gestao e Planeamento;
- Tecnologias e Processo;
- Meio Ambiente e Proteccao Civil;
- Relacoes Publicas.
As disciplinas da componente de formacao Tecnica sao subdivididas em modulos, os quais sao articulados de forma a haver uma equilibrada sequencia temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisicao de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho a saida do curso:


O Tecnico de Proteccao Civil e o profissional qualificado que, sob orientacao do tecnico superior da area, esta apto para desenvolver actividades de prevencao de riscos colectivos inerentes a situacoes de acidente grave ou catastrofe, assim como participar no planeamento de actividades de atenuacao dos seus efeitos, de proteccao, socorro e assistencia as pessoas e bens em perigo quando aquelas situacoes ocorram.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este tecnico:


- Participar no levantamento, previsao, avaliacao e prevencao dos riscos colectivos de origem natural ou tecnologica;
- Prestar apoio na avaliacao e implantacao de sistemas de prevencao contra incendios e outros riscos de origem natural ou tecnologica;
- Participar em campanhas de informacao e formacao das populacoes, visando a sua sensibilizacao em materia de autoproteccao e de colaboracao com as autoridades;
- Participar no planeamento de solucoes de emergencia, visando a busca, o salvamento, a prestacao de socorro e de assistencia, bem como a evacuacao, alojamento e abastecimento das populacoes;
- Participar na inventariacao dos meios e recursos disponiveis e dos mais facilmente mobilizaveis ao nivel local e regional;
-Participar em estudos e divulgacao de formas adequadas de proteccao dos edificios em geral, de monumentos e de outros bens culturais, de instalacoes de servicos essenciais, bem como do ambiente e dos recursos naturais;
- Participar na implementacao de projectos em proteccao civil;
- Participar na elaboracao de relatorios tecnicos e manter informado o seu superior hierarquico.

 

Topo

Curso de Técnico de Instalações Eléctricas

 

 

O Curso de Técnico de Instalações Eléctricas, criado pela Portaria n.º 890/2005, de 26 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saídas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formacao tecnica:


No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondestes às saídas profissionais propostas, o Curso de Técnico de Instalações Eléctricas, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:
- Electricidade e Electrónica;
- Tecnologias Aplicadas;
- Desenho Esquemático;
- Práticas Oficinais;

- Formação em Contexto de Trabalho.
As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saida do curso:


O Técnico de instalações eléctricas é o profissional qualificado apto a desempenhar tarefas de carácter técnico relacionadas com a execução de instalações eléctricas de utilização, de baixa e média tensão, de comando, sinalização e protecção, efectuando também o diagnóstico de avarias ou deficiências e colaborando na sua reparação, no respeito pelas normas de higiene e segurança e pelos regulamentos específicos.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico:


- Seleccionar criteriosamente componentes, materiais e equipamentos, com base nas suas características tecnológicas e de acordo com as normas e os regulamentos existentes;
- Interpretar e utilizar correctamente manuais, esquemas e outra literatura técnica fornecida pelos fabricantes;
- Efectuar operações de correcção, ajuste e manutenção, segundo as instruções do fabricante;
- Analisar e interpretar anomalias de funcionamento e formular hipóteses de causas prováveis;
- Aplicar e respeitar as normas e os regulamentos relacionados com a actividade que desenvolve;
- Aplicar e respeitar as normas de protecção do ambiente e de prevenção, higiene e segurança no trabalho;
- Executar instalações de baixa tensão, nomeadamente instalações de utilização, colectivas, de alimentação, comando, sinalização e protecção, e industriais;
- Efectuar a manutenção e reparação de instalações de utilização, industriais e de distribuição de energia eléctrica; -Efectuar a instalação, manutenção e reparação de equipamentos específicos na área da domótica;

- Efectuar estimativas de custos e orçamentos de instalações.

 

 

 

Curso de Técnico de Frio e Climatização

 

 

O Curso de Técnico de Frio e Climatização, criado pela Portaria n.º 898/2005, de 26 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competências necessárias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saídas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formação técnica:


No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondestes às saídas profissionais propostas, o Curso de Técnico de Frio e Climatização, para alem das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:
- Tecnologia e Processos;
- Organização Industrial;
- Desenho Técnico;
- Práticas Oficinais;

- Formação em Contexto de Trabalho.
As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saida do curso:


O Tecnico de frio e climatização é o profissional qualificado apto a organizar e coordenar, com base nos procedimentos e técnicas adequados,o plano de fabrico, a instalação e a montagem dos sistemas de frio e climatização, bem como a conservação, reconversão e assistência técnica de sistemas, com vista à melhoria da sua condição funcional, de acordo com as normas, os regulamentos de segurança e as regras de boa prática aplicáveis.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este tecnico:


- Coordenar os recursos envolvidos num trabalho;
- Executar a montagem de equipamentos mecânicos de frio, ar condicionado e ventilação;
- Testar e ensaiar os equipamentos, corrigindo as deficiências;
- Diagnosticar e reparar avarias dos sistemas de aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração;
- Participar no projecto e execução de novas soluções para linhas de produção e processos de fabrico, no campo do frio e refrigeração;
- Executar planos de manutenção preventiva dos equipamentos de refrigeração ou afins;
- Utilizar software de apoio a esta área, para projecto e desenho, gestão de exploração e manutenção de instalações de frio e climatização;
- Participar na realização de diagnósticos energéticos;

 

Topo

 

 

 

Curso de Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho e do Ambiente

 

 

O Curso de Técnico de Higiene e Seguranção do Trabalho, criado pela Portaria n.º 891/2005, de 26 de Setembro, esta concebido para proporcionar a aquisicao de capacidades e competencias necessarias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saidas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formacao tecnica:


No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondestes às saídas profissionais propostas, o Curso de Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual e composta pelas seguintes disciplinas:
- Segurança e Higiene no Trabalho;
- Ambiente e Métodos de Análise de Risco do Trabalho;
- Saúde Opcional e Ergonomia;
- Estudo e Organização do Trabalho;

- Formação em Contexto de Trabalho.

 

As disciplinas da componente de formação Técnica sao subdivididas em módulos, os quais sao articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saída do curso:


O Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho é o profissional qualificado apto a desenvolver actividades de prevenção e de protecção contra riscos profissionais.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico:


- Participar na elaboração de diagnósticos que permitam caracterizar o processo produtivo;
- Participar na elaboração do plano de prevenção de riscos profissionais;
- Participar na elaboração ou desenvolvimento de planos específicos de prevenção e protecção exigidos pela legislação;
- Participar na definição dos procedimentos a adoptar em situaçãoes de emergência, designadamente de combate ao sinistro, de evacuação e de primeiros socorros.

Topo

 

 

Curso de Técnico de Gestão do Ambiente

 

 

O Curso de Tecnico de Gestão do Ambiente, criado pela Portaria n.º 906/2005, de 26 de Setembro, está concebido para proporcionar a aquisição de capacidades e competencias necessárias ao desempenho das tarefas inerentes, categorias correspondentes e respectivas saídas profissionais. 

 

Disciplinas da componente de formação técnica:


No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competencias inerentes às categorias profissionais correspondestes às saídas profissionais propostas, o Curso de Técnico de Gestão do Ambiente, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, à qual é composta pelas seguintes disciplinas:
- Ordenamento do Território;
- Conservação da Natureza;
- Qualidade Ambiental;
- Projectos em Ambiente;

- Formação em Contexto de Trabalho.

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Perfil de Desempenho à saída do curso:


O Técnico de Gestão do Ambiente é o profissional qualificado apto a respeitar as normas de qualidade, segurança e saúde no trabalho, intervir activamente no domínio da gestão da qualidade do ambiente e do desenvolvimento sustentável.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico:


- Inventariar e caracterizar as variáveis ambientais biofísicas e sócio-económicas;
- Proceder ao levantamento, organização e tratamento de dados para caracterização de situações de referência em estudos de ordenamento do território e de impacte ambiental;
- Utilizar os sistemas de informação geográfica;
- Participar em actividades que impliquem a aplicação de legislação ambiental e/ou de identificação de infracções.

Topo

 

CEF - Cursos de Educação e Formação de Jovens

 

Cursos de Nível 1 Tipo 1-B

O que são?


Os Cursos de Educação e Formação (CEF) são uma oportunidade para poder concluir a escolaridade obrigatória, ou para poder prosseguir estudos ou formação que lhe permita uma entrada qualificada no mercado do trabalho.
Cada curso corresponde a uma etapa de educação/formação cujo acesso está relacionado com o nível de habilitação escolar e profissional já alcançado. No final de cada etapa obterá uma qualificação escolar e profissional.

 

Independentemente da tipologia, todos os CEF integram quatro componentes de formação:

 

- Sociocultural;

- Científica;

- Tecnológica;

- Prática.

 

Para quem?


Os CEF podem ser indicados para ti, se te encontras nas seguintes condições:

- Idade igual ou superior a 15 anos;

- Habilitações escolares inferiores ao 6º ano para o tipo 1;

- Habilitações escolares inferiores ao 9º ano para o tipo 3.

 

Certificação:


A conclusão de um CEF, com total aproveitamento, confere uma certificação escolar equivalente ao 6º ano para o Tipo 1 e o 9º ano para o Tipo 3 ou ainda um certificado de competências escolares e uma qualificação profissional de nível 1 Tipo 1 e nivel 2 Tipo 3. A conclusão de cada ciclo de formação permite que prossiga estudos e obtenha formação nos seguintes níveis:

- A conclusão de um CEF Tipo 1 permite o ingresso no 3º ciclo do ensino básico;

- A conclusão de um CEF Tipo 3 permite o ingresso num dos cursos do nível secundário de educação.

Topo

 

Jardinagem e Espaços Verdes

 

O/A Operador/a de Jardinagem é o/a profissional que de forma autónoma e tendo em conta as normas de segurança, higiene e protecção do ambiente, realiza a instalação e manutenção de jardins e espaços verdes, podendo participar na instalação das respectivas infra-estruturas, nomeadamente na preparação dos solos, das redes de drenagem e de rega, bem como dos caminhos, muros, sebes e relvados, utilizando as técnicas e os meios manuais e mecânicos apropriados.

 

Disciplinas da componente de formação técnica

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saidas profissionais propostas, o curso de Jardinagem e Espacos Verdes, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Cientifica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

Disciplinas da componente de formação técnica

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saidas profissionais propostas, o curso de Jardinagem e Espaços Verdes, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

- Manutenção de jardins e relvados;

- Poda selectiva de árvores ornamentais;

- Contabilidade e gestão da empresa agrícola;

- Infra-estruturas básicas e paisagisticas de jardins;

- Instalação de jardins e relvados;

- Mecanização em jardinagem.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

 

- Realizar operações de manutenção de jardins e relvados;
- Preparar o terreno e colaborar, sob orientação, na instalação e conservação de infra-estruturas básicas e paisagisticas em jardins;
- Proceder a instalação de jardins e relvados, plantando/semeando espécies árboreas, arbustivas e herbáceas.

Topo

 

 

Cursos de Nível 2 Tipo 3

 

Práticas Administrativas

O/A Assistente Administrativo/a é o/a profissional que, com base nos procedimentos e técnicas adequadas, bem como nas normas de segurança, higiene, saúde e ambiente, executa tarefas administrativas relativas ao funcionamento das organizações (empresas ou serviços públicos) seguindo com as normas e as orientações previamente estabelecidas.

 

Disciplinas da componente de formação técnica

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saidas profissionais propostas, o curso de Práticas Administrativas, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

- Correspondência comercial e arquivo

- Atendimento e documentação;

- Rotinas de contabilidade básica;

- Informática na função administrativa;

- Recepção presencial e telefónica.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

 

- Preparar e executar tarefas relacionadas com o expediente geral das organizações, de acordo com procedimentos estabelecidos.

- Preencher e conferir documentação de apoio a actividade das organizações.

- Registar e actualizar dados necessários para a gestão das organizações.

- Atender e encaminhar o público interno e externo das organizações.

Topo

 

 

Serralharia Mecânica

O Serralheiro Mecânico é o profissional que, de forma autónoma precisa, utiliza técnicas e meios manuais e mecanizados apropriados, procede à execução de peças e conjuntos mecânicos, a inspecção, manutenção e reparação de equipamentos mecânicos, bem como a instalação e afinação de equipamentos e de dispositivos de apoio (mecânicos, pneumáticos e hidráulicos).

 

Disciplinas da componente de formação técnica

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Práticas Administrativas, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

- Desenho Técnico;

- Tecnologia Mecânica;

- Prática em contexto de Formação.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

- Proceder à execução de trabalhos oficinais de bancada.

- Executar a maquinagem de peças, bem como ajustar e montar conjuntos mecânicos.

- Proceder à execução de trabalhos de soldadura e brasagem de juntas de ligação.

- Proceder à instalação, afinação e manutenção preventiva de equipamentos mecânicos, pneumáticos e hidráulicos.

Topo

 

 

Operação com Máquinas Marítimas

 

O/A Ajudante de Maquinista é o/a profissional capaz de executar, sob supervisão, tarefas inerentes à condução e manutenção de sistemas mecânicos, hidráulicos, eléctricos e outras instalações, a bordo de embarcações/navios.

 

Disciplinas da componente de formação técnica

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Operações com Máquinas Marítimas, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

- Preparação para a actividade marítima - Máquinas Tecnologia Mecânica.

- Operações básicas de tecnologia mecânica.

- Condução e manutenção de máquinas e instalações a bordo.

- Operação e reparação de sistemas de refrigeração e instalações eléctricas.

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

 

-Proceder à organização do seu trabalho de forma racional e no respeito das regras de segurança individual e colectiva, tendo em consideração as resoluções, recomendações e normas prescritas na legislação nacional e internacional em vigor;

-Utilizar as ferramentas e materiais ferrosos e não ferrosos e interpreta desenho técnico;

-Efectuar a condução e a manutenção preventiva das máquinas propulsoras e auxiliares a bordo das embarcações/navios;

-Proceder à operação e reparação de sistemas de refrigeração e instalações eléctricas, utilizando os equipamentos, instrumentos de medida, materiais e ferramentas adequadas para o efeito.

Topo

 

 

 

Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização
O/A Electromecânico/a de Refrigeração e Climatização realiza, no respeito das normas de higiene, segurança e ambiente, a instalação, montagem, regulação, manutenção e reparação de equipamentos e instalações de refrigeração domésticos e comerciais, destinados à conservação de produtos pereciveis e de climatização, bem como as operações de instalação e programação de quadros eléctricos, através de componentes eléctricos e electrónicos assistidos ou não, por microprocessador de comando centralizado.

 

Disciplinas da componente de formação técnica

 

As disciplinas da componente de formação Técnica são subdivididas em módulos, os quais são articulados de forma a haver uma equilibrada sequência temporal, com a finalidade de facilitar e fomentar a aquisição de conhecimentos.

 

No sentido de proporcionar a aquisição de capacidades e das competências inerentes às categorias profissionais correspondentes às saídas profissionais propostas, o curso de Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização, para além das componentes de formação Sociocultural e de formação Científica, possui a componente de formação Técnica, a qual é composta pelas seguintes disciplinas:

- Equipamento de frio doméstico e desumidificadores.

- Instalações de frio comercial.

- Quadros eléctricos de instalações de frio.

- Equipamentos de climatização

 

Actividades fundamentais a desempenhar por este técnico

-Executar operações de recuperação, reciclagem e manuseamento de fluídos frigorigéneos;

-Executar a manutenção e reparação de equipamentos de frio doméstico e desumidificadores;

-Executar a montagem, regulação, reparação e manutenção das instalações de frio comercial;

-Executar a montagem de quadros eléctricos para instalações frigoríficas;

-Executar a montagem, reparação e manutenção de aparelhos e centrais de climatização.

Topo

 

 

 

Cursos STCW/95

 

Aos inscritos marítimos (Oficiais, Mestrança e Marinhagem), no âmbito da Convenção Internacional STCW/95, a AEMAR/ITN ministra tambêm os seguintes cursos de curta duração, com certificação do IPTM - Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos:

Topo

 

Curso de Segurança Básica

 

O curso de Segurança Básica enquadra-se no estabelecido na Regra VI/1 da Convenção Internacional STCW/95 (Tabelas A-VI/1-1, A-VI/1-2, A-VI/1-3 e A-VI/1-4), sobre o nível mínimo de formação de marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 54º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 81 horas teórico-práticas e compreende os seguintes 4 módulos independentes:

 

- Técnicas de Sobrevivência Pessoal
- Prevenção e Combate a Incêndios
- Técnicas Elementares de Primeiros Socorros
- Segurança Pessoal e Responsabilidades Sociais

Topo

 

Curso de Formação para Qualificação em Condução de Embarcações Salva-Vidas e Embarcações de Salvamento

 

O curso de formação para Qualificação em Condução de Embarcações Salva-Vidas e de Salvamento enquadra-se no estabelecido na Regra VI/2 da Convenção Internacional STCW/95 (Tabela A-VI/2-1), sobre os requisitos mínimos e obrigatórios para acesso à certificação de aptidão para a condução de embarcações salva-vidas e embarcações de salvamento, nas condições legalmente previstas (artigo 48º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de actualisar conhecimentos e de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 36 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Métodos de salvamento colectivo;
- Construção e palamenta das embarcações salva-vidas e jangadas pneumáticas;
- Motores, suas características e condução para navegação de emergência;
- Situações de emergência;
- Primeiros socorros.
- Construção e palamenta das embarcações salva-vidas e jangadas pneumáticas;
- Motores, suas características e condução para navegação de emergência;
- Situações de emergência;
- Primeiros socorros.

Topo

 

 

Curso de Formação para Qualificação em Ministrar os Primeiros Socorros a Bordo das Embarcações

 

O curso de formação para Qualificação em Ministrar os Primeiros Socorros a Bordo das Embarcações enquadra-se no estabelecido na Regra VI/4 da Convenção Internacional STCW/95 (Tabela A-VI/4-1), sobre normas de formação, de certificação e de serviço de quartos para os marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 51º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 30 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Higiene a bordo e controlo ambiental;
- Princípios essenciais de socorro;
- Socorro prioritário ou essencial;
- Socorro secundário;
- Farmácia de bordo;
- Equipamentos e estojo de primeiros socorros;
- Álcool e drogas e respectivo apoio psicologico;
- Apoio via rádio/CODUMAR;
- Morte no mar e registos.

 

Topo

Curso de Familiarização em Navios Tanque (Petroleiros, Químicos e de Gás Liquefeito)

 

O curso de Familiarização em Navios Tanque (Petroleiros, Químicos e de Gás Liquefeito) enquadra-se no estabelecido na Regra V/1 da Convenção Internacional STCW/95 (Secção A-V/1, parágrafos 2 a 7), sobre normas de formação, de certificação e de serviço de quartos para os marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 46º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 50 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Navios tanque;
- Tipos de cargas;
- Operações de carga, descarga e lavagem;
- Legislação e controlo da poluição;
- Segurança, prevenção e combate a incêndios.


Topo

Curso de Formação para Qualificação dos Responsáveis pelos Cuidados Médicos a Bordo das Embarcações

 

O curso de formação para Qualificação dos Responsáveis pelos Cuidados de Saúde a Bordo das Embarcações enquadra-se no estabelecido na Regra VI/4 da Convenção Internacional STCW/95 (Tabela A-VI/4-2), sobre normas de formação, de certificação e de serviço de quartos para os marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 52º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 50 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Primeiros socorros (revisão);
- Cuidados gerais a ter com o ferido;
- Cuidados gerais de enfermagem;
- Doenças;
- Excesso de consumo de álcool e drogas;
- Emergências dentárias;
- Gravidez e parto;
- Cuidados médicos de náufragos e pessoas socorridas;
- Morte no mar;
- Controlo ambiental a bordo do navio;
- Prevenção de doenças;
- Manutenção de registos;
- Medicamentos e equipamento de bordo;
- Equipamento de cirurgia, instrumentos e fornecimentos recomendados;
- Assistência externa.


Topo

 

Curso de Formação para Qualificação em Controlo de Multidões, Familiarização e Segurança em Navios Ro/Ro de Passageiros

 

O curso de formação para Qualificação em Controlo de Multidões, Familiarização e Segurança em Navios Ro/Ro de Passageiros enquadra-se no estabelecido na Regra V/2 da Convenção Internacional STCW/95 (Seção A-V/2, parágrafos 1,2 e 3), sobre normas de formação, de certificação e de serviço de quartos para os marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 55º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 30 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Introdução ao STCW;
- Controlo de multidões;
- Familiarização em navios "Ro/Ro";
- Segurança dos passageiros.


Topo

 

Curso de Formação para Qualificação em Gestão de Crises e Comportamento Humano, Incluindo a Segurança de Passageiros e aIntegridade do Casco em Navios Ro/Ro de Passageiros

 

O curso de formação para Qualificação em Gestão de Crises e Comportamento Humano, Incluindo a Segurança de Passageiros e a Integridade do Casco em Navios Ro/Ro de Passageiros enquadra-se no estabelecido nos parágrafos 7 e 8 da Regra V/2 da Convenção Internacional STCW/95 (Secção A-V/2, parágrafos 4 e 5), sobre normas de formação, de certificação e de serviço de quartos para os marítimos, nas condições legalmente previstas (artigo 57º do Anexo IV do Decreto-Lei nº 280/2001, de 23 de Outubro).

 

No sentido de proporcionar a aquisição das capacidades e das competências inerentes à respectiva certificação, este curso tem a duração de 40 horas teórico-práticas e compreende os seguintes módulos:

 

- Introdução ao STCW;
- Procedimentos, carregamento e embarque;
- Transporte de mercadorias perigosas;
- Peamento de cargas;
- Cálculos de estabilidade, caimento e resistência estrutural;
- Abertura, fecho e bloqueio de aberturas no casco;
- Atmosfera nos tombadilhos de carga ('car decks');
- Planos de emergência, procedimentos e exercícios;
- Optimização de recursos;
- Resposta a situações de emergência;
- Comportamento humano;
- Comunicações.


Topo

 

 

Cursos de náutica de recreio

 

A AEMAR/ITN está devidamente credenciada pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM) para ministrar cursos de Navegador de Recreio, desde a categoria de Principiante até à de Patrão de Alto Mar.
A AEMAR/ITN organiza não só os referidos cursos, como proporciona a realização dos exames pelo IPTM, entidade que emite, a nível nacional, as diversas cartas de navegador de recreio.

Assim a AEMAR/ITN ministra os seguintes cursos da Náutica de Recreio:

- Principiante: tem uma duração de 15 horas e permite dirigir uma embarcação local com um comprimento máximo de 5 metros, em navegação diurna à vista da costa, até 1 milha da borda de água, com uma potência máxima de 4,5 kW (cerca de 6,5 CV);

- Marinheiro: tem uma duração de 30 horas e permite dirigir uma embarcação com um comprimento máximo de 7 metros, em navegação diurna à vista da costa, até 3 milhas desta e até 6 milhas de um porto de abrigo, com uma potência máxima de 45 kW (cerca de 65 CV);

-Patrão Local: tem uma duração de 40 horas e permite comandar uma embarcação sem limite de comprimento, em navegação à vista da costa, até 5 milhas desta e até 10 milhas de um porto de abrigo, sem limite de potência;

-Patrão de Costa: tem uma duração de 65 horas e permite comandar uma embarcação sem limite de comprimento, em navegação costeira, até 25 milhas da costa, sem limite de potência;

-Patrão de Alto Mar: tem uma duração de 125 horas e permite comandar uma embarcação sem limite de comprimento, em navegação oceánica, sem limite de afastamento da costa, sem limite de potência.

 

Topo

 

 


 

Terminaste o 9ºano? Segue um futuro ligado ao mar com taxa de empregabilidade de cerca de 100%Mais...

 

Cursos de frequência gratuita e um ensino de excelência asseguram-te formação profissional de qualidade.

Inscreve-te já...